Mentira. Isso só fazia sentido até o século 19, quando cervejarias precisavam se instalar perto de boas fontes de água.Daí veio a fama de cidades como Pilsen (República Checa) ou Munique (Alemanha), por exemplo.

Porém, desde que se tornou possível alterar as características físico-químicas da água, no início do século 20, essa relação entre local e qualidade foi eliminada.

Veja o que realmente importa:

Transporte
O chacoalhar de navios e caminhões, o local de armazenagem, mudanças bruscas de temperatura e variações de luz podem detonar a bebida. “A cerveja é tão sensível quanto um vinho (às vezes até mais)”, diz André Cancegliero, organizador do festival Beer Experience, em São Paulo.

DICA – Compre em locais especializados. Se preferir o supermercado, escolha cerveja de lata, pois a de garrafa tem mais chance de oxidar e ficar com gosto de ferrugem.

Data de fabricação
Diferente do vinho, quanto mais nova a cerveja, melhor. O problema é que, às vezes, ela vem de longe e demora para chegar. E o tempo altera as propriedades da bebida. Logo, quanto menos a cerveja viajar, melhor. Isso confirma um ditado: “A melhor cerveja do mundo é aquela que se toma olhando a chaminé da cervejaria”. Em Agudos ou em Pilsen.

DICA – Verifique a data de fabricação e preste atenção às condições de armazenamento. Luz constante e calor estragam a cerveja.

Fonte