O novo método consiste na administração, através das narinas, de fármacos que atuam sobre os neurônios os quais a portadora de sinais é a dopamina.

É que a produção deste “hormônio do prazer”, a dopamina,  aumenta com o consumo de álcool, causando a dependência.

Então, a ideia dos médicos e biólogos russos que estão estudando este assunto é reduzir a produção de dopamina durante o consumo do álcool.

Dessa forma, o cérebro vai parar de receber essa sensação de prazer e vai ser mais fácil reduzir as doses de álcool.